O empoderamento da preguiça

Tenho preguiça. E só de escrever essa frase, bocejei, desliguei o computador e dormi. A esperança era continuar bem cedo esse estudo sobre a preguiça, mas deu preguiça. Acordei tarde, fui trabalhar e terminei o meu texto no último minuto que tinha.

Mas não se desanime com a leitura dessa crônica. Tenho informações valiosas para empoderar os preguiçosos.

Você sabia que a preguiça é um dos principais motivos de migração dos chineses para a Austrália? Segundo uma pesquisa (que estou com preguiça de procurar a fonte), a percepção dos chineses que os australianos têm um estilo de vida mais sereno é decisiva na escolha do país como destino. Ou seja, a preguiça dos chineses estimula o turismo na Austrália e contribui significativamente com o PIB nacional.

Sempre gostei da preguiça. Foi meu método de estudo na escola, na faculdade e hoje é minha aliada na profissão. Gosto de me demorar com as tarefas. Começo devagar, bem preguiçoso. Faço um intervalo no meio, pra manter a preguiça ativa, e termino meu job em cima do prazo. Preguiça antes, durante e depois. Não gosto da tensão do “quanto mais rápido melhor”. Tenho preguiça de gente sempre muito rápida. Essas pessoas me cansam, e quando eu me canso me dá uma preguiça…

Preguiça não tem a ver com não querer fazer coisas. Trabalho bastante, escrevo muito, pratico esportes… mas gosto de fazer tudo no meu tempo. Meu trabalho exige reflexão, questionamento, e nada disso se faz sem um pouco de calma (preguiça).

No dicionário, preguiça é mal vista: “Morosidade, negligência. Vontade de não trabalhar, desamor ao trabalho. Moleza, indolência…”. Não concordo. Preguiça é caso de ciência. Cientistas do mundo todo já estudaram esse diferencial competitivo que tenho.

Newton, quando estudou a inércia, na verdade estudou a preguiça: “Todo corpo persiste em seu estado de repouso, ou de movimento retilínio uniforme, a menos que seja compelido  a modificar esse estado pela ação de forças impressas sobre ele”. Traduzindo: “Todo mundo é preguiçoso, a menos que te obriguem a fazer alguma coisa, seja sua mãe, seja seu chefe”.   

Estudos também comprovam que trabalhar demais é tão perigoso quanto fumar. Que longas pausas (troque pausas por preguiça) são fundamentais para o cérebro estabelecer conexões que podem levar ao autoconhecimento e à criatividade (do livro “Piloto automático: a arte e a ciência de não fazer nada”, de Andrew Smart). Logo, pra não morrer de infarto ou enfisema, troque os cigarros por preguiça. No começo vai ser difícil, mas depois você vai ter preguiça até de fumar. Viciado em preguiça.

Preguiça é remédio. Espreguiçar quer dizer “espalhar a preguiça pelo corpo”. Se você está tenso, uma espreguiçada é uma forma de aliviar a tensão. Dar uma boa espreguiçada pode evitar lesões. Portanto, reserve alguns minutos do dia para espreguiçar, depois emende com uma soneca como método preventivo e “vida longa”.

E se essa minha crônica te deu um pouco de preguiça, bem-vindo ao clube.

Published by

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s