No templo que eu inventei

Mesmo que a gente
Não se case na igreja,
Caso o meu amor com o seu
No templo que eu inventei.
Você vai ver que nesse templo
O telhado é de céu.
Eu não inventei esse céu,
Mas inventei o destelhado do templo
Que é pra cobrir você de luar
Na nossa cama de nuvens.
No templo que eu inventei
Eu também não inventei essas nuvens,
Mas inventei esse jeito
De ver você flutuar
Enquanto tenho insônias contigo.
A porta do templo que eu inventei
É de vento.
E já digo: eu não inventei esse vento.
Mas inventei esse jeito
De ver você entrar magnífica
Com seus cabelos ao vento
No templo que eu inventei.
No templo que eu inventei
As paredes e as janelas também são de flores.
E eu não inventei essas flores.
Eu só inventei o jardim,
Que agora fica de dentro do templo,
Que é pra você viver
E contemplar o jardim
Ao mesmo tempo,
No templo que eu inventei.
Por fim, no templo que eu inventei
A gente não precisa jurar nosso amor
Perante um padre.
A gente só precisa gastar
Todo o nosso amor
Perene
E a dois
No templo que eu inventei.

Published by

One thought on “No templo que eu inventei

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s