Eu caçador de mim

“Eu não consegui dormir no meu segundo dia de Caminho. Não me sinto ansioso. Talvez seja a cama. Talvez, a saudade.

Antes do alarme tocar, já estou de pé. O relógio marca cinco e vinte e três da manhã. Ninguém acordado. Levanto-me em silêncio, pego a mochila e saio para o corredor do albergue para organizar minhas coisas.

Quero sair rápido, caminhar sozinho, no meu tempo, falar pouco, observar o máximo que eu puder. Quero ouvir o Caminho. Ontem, a excitação de todos com o primeiro dia de caminhada me impediu de ouvir o Caminho. Hoje eu preciso do silêncio.

Desço as escadas e encontro com outros dois peregrinos, que também se ajeitam para sair. Somos os primeiros do dia, de um albergue abarrotado de gente. Termino de me arrumar, calço meu tênis e vejo Marc, o amigo espanhol que fiz no dia anterior. Um jovem que também prefere a calma. Quando me vê, me convida para sairmos juntos. Aceito. Marc é uma boa companhia.

Deixamos Roncesvalles rumo a Zubiri sob a luz da minha lanterna. Começamos com passos lentos. Caminhamos por três quilômetros até um pequeno povoado. Tomamos um café na única cafeteria que encontramos e seguimos. Andamos em silêncio até encontrar José, um peregrino mais velho. Conversamos bastante, agora com os raios do sol iluminando nossos rostos e clareando a nossa prosa.

Marc tem amigos por toda a Espanha. Na cidade seguinte, se separa de mim para tomar um café com um deles. Nos despedimos com o combinado de reencontrar em Zubiri.

Sigo sozinho por mais três quilômetros e tenho um novo encontro, agora com meu corpo. Começo a sentí-lo pela primeira vez. Sinto dor na cintura, em uma região que nem sabia que existia. Os músculos posteriores da coxa também começam a me avisar que estão aqui. Conversamos um pouco, tento acalmá-los, mas as dores não cessam.

Agora eu, que queria o silêncio, tenho um corpo inteiro que fala comigo. São os primeiros sintomas da dura jornada até Santiago. Paro, me alongo, mas as dores só pioram. O corpo grita. Então decido manter o ritmo até chegar à Zubiri.

O cenário bonito ajuda a aliviar minhas dores. Adiante, alcanço outro grupo de peregrinos. Reencontro Guilhermo, um amigo italiano que conheci no albergue de ontem. Conversamos em um inglês mal falado por todos. Seu corpo também grita de dor.

Às onze e meia da manhã, chegamos à Zubiri, uma cidade pequena, mas muito bonita. Atravessamos uma ponte para entrar na vila.

Encontro o albergue municipal. Reservo minha cama, tomo meu banho, saio para almoçar. Reencontro amigos que conheci nos Pirineus. Almoçamos juntos, depois volto ao albergue para descansar. À noite, me dou conta que Marc não está na cidade. Mais tarde, recebo uma ligação dele, que me conta que decidiu caminhar um pouco mais. “E o seu corpo?”, pergunto. “Meu corpo dói, como todos os outros por aqui. Mas vale a pena. Você vai ver que vale. Há muita beleza por aqui. Você vai gostar”.

Não há como chegar à Santiago sem dor. O Caminho não é sobre superar sua dor. É sobre ter entusiasmo para encontrar as belezas que existem além das dores.”

 

Published by

3 thoughts on “Eu caçador de mim

  1. Amei o texto! Porém, essas linhas tocaram-me e fez lembrar a minha dor, as minhas DORES: “Não há como chegar à Santiago sem dor. O Caminho não é sobre superar sua dor. É sobre ter entusiasmo para encontrar as belezas que existem além das dores.”
    Sabe Lucas, acredito muito que o simples ato de SEGUIR é o que mas sentir que estou SUPERANDO, mas não superando a dor, esta eu apenas convivo, mas superando o medo de não querer seguir, e eu escolhi seguir com todas as minhas amargas e doces dores…
    Grande abraço!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s