Bagunça

Bagunça

Quando quero escrever,
eu me arrumo.
Não me visto de qualquer jeito
para o encontro.
Eu me arrumo.
Visto roupa bonita,
penteio o cabelo, passo perfume,
eu me arrumo. 
Coloco o caderno sobre a mesa,
às vezes uma taça de vinho,
eu me arrumo
Mesmo quando eu sei
que vão me faltar as palavras,
eu me arrumo.
Porque quando quero escrever,
eu sempre me arrumo,
em respeito à palavra,
que eu amo. 
Em respeito a tudo que amo,
eu me arrumo.
E esse é o jeito que tenho
de me bagunçar.