Bula

Bula

Faz dias que quero
escrever um poema de amor
e o poema não sai.
Um poema de amor, sem dizer que te amo.
Não sei se poemas de amor são assim.
Mas faz dias que quero
escrever um poema de amor
e o poema não sai.
Resolvi escrever um poema banal.
Se eu quero dizer que te amo,
direi “eu te amo” e está feito o poema.
Mesmo que não se pareça um poema,
mesmo que isso pareça uma bula,
que diz “eu te amo” três vezes ao dia…
Está feito o poema.
Uma bula de amor,
pra ser lida três vezes ao dia:
a primeira, depois de acordar;
a segunda, depois do almoço;
e a terceira, te digo agorinha.