O melhor coach do mundo

O melhor coach do mundo

É uma época de muitas lições para aprender. E não falo ironicamente, pois é verdade. Estamos aprendendo muito, coisas que já deveríamos saber, mas que por conta de um atraso humano, temos que lidar agora, sem adiamentos. 

Lições sobre a desigualdade social, o machismo, racismo e tudo que ora estamos brigando, ora debatendo, deveriam ser pautas superadas, não fosse nosso déficit educacional. Nossa educação ruim nos faz tomar decisões piores, eleger políticos fracos, que investem cada vez menos em educação e, consequentemente, nos deixam ainda mais sem saber como lidar com esses assuntos. Por isso, as lições de agora são necessárias.

Dito isso, quero falar de gente oportunista, que aproveita esse cenário para fazer fama, virar guru e ganhar dinheiro em cima da pobreza. Nossa sociedade está frágil, carente, precisando de pessoas que ajudem a dar rumos melhores para as vidas, individuais e coletivas. Daí, surgem figuras que, fingindo que sabem de tudo (coisa impossível de saber), se aproveitam da vulnerabilidade para vender conhecimentos pobres e mentirosos. 

Não confie em pessoas que sabem de tudo, tanto de empresas, como de relacionamentos ou de alma. Gente que tem resposta para qualquer pergunta e que até desafia seus espectadores a fazerem perguntas quaisquer para responder. Elas estão mentindo. Por isso, não confie, é gente mentirosa tentando ganhar sobre você. São pessoas que passam a impressão que não erram ou que têm o segredo que revelará todos os mistérios do mundo. Vendem seus cursos, palestras, posts nas redes sociais prometendo o esclarecimento da vida, como se a vida fosse essa coisa a ser revelada. Meu amigo, a vida só tem graça por conta das coisas que a gente não sabe, da dúvida e dos erros. Se soubéssemos de tudo, qual seria a graça de viver?  

É oportunismo usar a vulnerabilidade como negócio, a não ser que você seja médico, psiquiatra ou psicólogo. Quem não está vulnerável com governos violentos, mudanças climáticas, dólar a 4 e 50 e carne a preço de ouro ainda não entendeu o que está acontecendo ou não chegou na fase adulta.

Sou a favor da democratização do conhecimento, mas do conhecimento sério, embasado, que modifica o ser, o sistema, a história. Não do conhecimento de “botequim”, sem base, que se aproveita desse vão educacional para prometer sucesso, dinheiro e outras coisas menores. 

Nem tudo que vivemos tem uma lição para nos dar. Um relacionamento ruim pode ser só um relacionamento que não deu certo. Um empreendedor que não enriquece não precisa ser um fracasso. Uma pessoa que não se expressa tanto quanto gostaríamos pode ser só uma pessoa em paz. 

Lembro-me de quando terminei o caminho de Santiago e reencontrei um amigo que começou a caminhada comigo, no mesmo dia. Ele fez toda a jornada em 26 dias. Eu, em 31. 

Muitos gostariam de saber qual o segredo para se caminhar tão rápido. Então eu perguntei. E qual foi o segredo? A saudade. Por conta da saudade, ele cortou caminho e até pegou carona para chegar mais rápido a Santiago e reencontrar a namorada que não via há tempos. 

E qual foi a lição que eu aprendi? Que saudade é bem melhor que coach