Você

Você

Passei das nuvens outra vez
e pensei em você. 
Aquele poema que fiz, 
foi você que fez. 
Eu sei porque 
não sei como se faz
um poema tão grande como aquele.
Eu declamo o poema 
e choro como se fosse você 
que declamasse. 
As pessoas que ouvem 
também choram.
E choramos você com poesia. 
É tão bonito chorar uma pessoa
com poesia. 
Você é o primeiro poema
que me fez chorar.
Ou o segundo, talvez.
Foi com você 
que aprendi a chorar assim, 
rindo, gargalhando o amor. 
Na minha lembrança, 
eu escrevi só um verso:
“meu pai precisa 
de um poema pra caber”. 
E você desceu dos céus
cantando o poema
e compondo os versos
que eu transcrevi.
“Pois cabe sim, pois cabe sim.”
E você coube não cabendo. 
Tanto é que 
você está aqui agora, 
nesse meu outro poema
ainda terminando
de caber.